Cena neo-nazi vem à tona mais organizada


A cena de neo nazista alemães vem à tona e parece esta mais organizada do que se imagina. Antes subestimada pela Polícia local, a rede de neo-nazi na Alemanha está mais organizada do que se imaginava. Em casos extremos, ensinam através de um site de internet como comportar-se em demonstrações e em suspeitas de espionagem da Polícia.

O quadro, que o Serviço Secreto da Polícia alemã tratava de reconstituir, deu-se por finalizado no passado dia 4 de novembro, quando a Polícia na localidade de Zwickau, localizado na Saxônia há 300 Km ao sul de Berlin, atendeu a ocorrência de um suposto incêndio doloso. No destrosos do incêndio foram encontrados os restos mortais de Uwe Böhnhardt e Uwe Mundlos, ambos procurados pela Polícia por assalto a banco, além de uma arma utilizada pela Polícia.

Objetos encontrados no apartamento parcialmente consumido pelo fogo levantaram a Polícia a prisão de Beate Z., que já havia compartilhado o apartamento com as duas vítimas, e que junto com as mesma havia fundado um grupo neo-nazista chamado “Nationalsozialistischer Untergrund” (NSU) (Clandestinidade Nacionalsocialista numa tradução livre). Já a arma encontrada foi roubada da policial Michèle K., assinada pelas vítimas do incêndio. Beate teve sua prisão decretada por porte de documentos falsificados, homocídio doloso e queima de arquivo, ao atear fogo ao aparamento com os dois outros integrantes dentro.

Os três são acusado de planejar e executar quatro atentados, em Kassel, Dortmund, Hamburgo e Rostock, todos contra imigrantes turcos assassinados com tiros na cabeça. Há suspeitas o grupo esteja ainda ligado com outros atentados extremistas.

Outros dados levantados pelo Serviço de Inteligência da Polícia levaram, no passado domingo 13 de novembro, a prisão do também membro do movimento da Clandestinidade, Holger G., na cidade de Hannover. Holger teria se afiliado ao grupo NSU em 2007 e seria o responsável pela falsificação de documento para os outros três envolvidos. Os achados no apartamento do acusado agravaram ainda mais as suspeitadas, disse Rainer Griesbaum, Comissário Geral da Polícia Alemã, que explicou ainda, que nos próximos dias serão apresentados ao Tribunal de Justiça da Alemanha os inquéritos contra Holger G.

O acusado mantinha no apartamento vários DVDs com filme-propaganda contra extrangeiros residentes no país. Em um dos DVD haviam desenhos animados da Pantera cor-de-rosa trucados, onde a personagem animado apresenta um mapa da com as cidades onde devem ocorrem novos ataques e fotos de imigrantes turcos, que deveriam ser os próximos objetivos do grupo. (Ver um dos filmes no Youtube)

Com as descobertas, o serviços Secreto e de Inteligência foram muito criticados pela opinião pública e por alguns parlamentares, por não agirem rapidamente, por chegarem por casualidade aos cabeças do grupo de neo-nazistas, que antes a Polícia considerava como movimentos isolados e desconexos uns dos outros. No entanto, o grupo fundador do NSU deve estar diretamente ligado há mais de quatro atentados com bomba contra estrangeiros, a maioria turcos.

Micro redes

Pequenos grupos organizados de extrema direta estão mais organizados e conectados que pareciam. E a suspeita recaí sobre o Partido Nacional Democrata Alemão (NPD por sua sigla em alemão, que apesar publicar em seu site de internet frase como “Crianças alemã precisam do país”, não é nem censurado e nem proibido, por infringir as liberdades de expressão e associação.  A teoria da Polícia é que o Partido seja o meio de interligação ilegal entre as pequenas células e grupo racistas e mais extremistas. Porém, ainda faltam provas.

Sob investigação estão também os sites Freies Netz Süd (Rede Livre do Sul, em uma tradução livre) e o Kameradschaft München-Nord (Camaradagem Norte de Munique, em tradução livre). Este último traz um manual como os “camaradas” devem agir ao perceberem a espionagem da Polícia, ou ainda, como deve agir caso sejam levados para depôr. O criador do site, Martin Wiese, colocado em liberdade depois de passar sete anos detido acusado de plano um atentado terrorista no Centro de Cultura Judaíca de Munique, onde também funciona a mais importante Sinagoga no Estado da Baviera, está sob suspeita de pertencer ao grupo NSU, e a Polícia acredita que, Wiese em companhia dos dois “camaradas” mortos carborisados e de Beate Z. planejam “expandir” sua rede contatos para o norte do país.

O contato com os jornalista não é para nada bem-vindo. De acordo com o manual de “segurança dos camaradas”, um camarada fotografado em uma demonstração tem o direito e tirar a camera fotográfica das mãos do fotógrafo. E, ainda de acordo com o manual a lei do silêncio é um direito de todo cidadão garantido pela lei.

Bem, a reação não foi outra. Depois de enviar inúmeros e-mail e insistir ao telefone não houve resposta, principalmente, a um jornalista estrangeiro.

Sobre Redação Europa
Luciano Alarcón, é jornalista formado pelo Centro Universitário de Araraquara, foi jornalista e Webmaster da Revista AméricaEconomía em Santiago do Chile, correspondente para o site www.Terra.com e freela para Folha de S. Paulo, entre outros meios na América Latina. Atualmente estuda Superior de Política de Munique e apresenta o programa de Radio "Brasilien in Focus" na Radio Lora FM de Munique. RedaçãoEuropa é a sua redação jornalística direto da Europa. Com notícias atualizadas sob o ponto de vista do jornalismo brasileiro. Porque o diferencial também é notícia, através do RedaçãoEuropa você terá acesso a matérias elaboradas e que as grandes agências não cobrem. Leia nossas matérias, retwitte, comente e informe-se. Um grande abraço sua Redação na Europa.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: